Viva, Mestre!

sexta-feira, 25 de julho de 2014



02 de agosto - Dia do Cordelista


Programa Cantos e Contos, com Os Nonatos

segunda-feira, 21 de julho de 2014

 Poesia boa e muito forró na gravação do
Cantos & Contos desta quarta-feira, 23

      Nesta quarta-feira, no Bar e Restaurante Bessa Grill, em João Pessoa - PB, haverá mais uma gravação do programa Cantos & Contos, com a apresentação da dupla Os Nonatos. As gravações começam às 19h30 e as atrações são: os poetas Zé Adalberto de Itapetim, Genilson Santana de Tabira e Alexandre Morais de Afogados da Ingazeira, mais o grupo cajazeirense, Forró Tora Chinela. A entrada é franca e o programa vai ao ar pela TV Correio/Record.
  

Os Poetas
   Representantes da contemporânea safra de poetas do sertão do Pajeú pernambucano, berço da poesia popular nordestina, esses três poetas têm feito bonito em suas apresentações pelo país afora, levando nossa cultura a outras regiões. Além de terem seus trabalhos individuais, um dos trabalhos mais significativos dos três juntos é o CD Retrato 3 x 3, onde eles resumem o passado, o presente e o futuro desta riquíssima manifestação artística. Além dos poemas autorais, o trabalho louva novos nomes da poesia e relembra ícones como Catullo da Paixão Cearense, Jansen Filho e Zé da Luz.


Tora Chinela
      O grupo de forró “Tora Chinela”, da cidade de Cajazeiras, tem menos de cinco anos de formado e já é considerado um dos melhores grupos de forró do alto sertão. Formado por Eduardo Jorge, vocal e zabumba; Joabson Nascimento, acordeon; Petrônio Ribeiro, contrabaixo; Brito Paredão, triângulo; e Chico Batera, bateria, o grupo tem agenda que registra cerca de 20 apresentações mensais.
      O nome “Tora Chinela” foi sugerido pelo Padre Janilson e tem tudo a ver com a formação do grupo, que se deu de forma inusitada. O pároco precisava fazer uma festa para angariar fundos para climatizar a igreja São João Bosco, mas não dispunha de recursos para contratar uma banda de renome.
     “Então, como já colaborávamos com a igreja na promoção da festa, foi daí que surgiu a ideia de formarmos o grupo. E o nome foi dado na hora, pelo Pe. Janilson”, explicou o líder do Tora Chinela, Eduardo Jorge.
 

    Não perca tempo e participe também da gravação do Cantos & Contos, nesta quarta-feira (23), de uma noite agradável, com muita poesia e forró de boa qualidade, a partir das 19h30, no Bessa Grill. A entrada é franca!

Cultura no ônibus. Isso vale um abraço!

 

     O cobrador de ônibus do Distrito Federal, Antônio da Conceição, criou o projeto "Cultura no Ônibus", no qual empresta livros de sua coleção para os passageiros da linha em que trabalha. Ele monta uma estante com cerca de 15 livros todos os dias e os passageiros podem pegá-los sem nenhum compromisso.
    Além do acervo pessoal, Antônio também conta com a doação de passageiros e pessoas que visitam o blog do projeto. Com o objetivo de incentivar a leitura, o cobrador também está criando uma biblioteca em seu bairro. 

< Copiado de Clécio Rimas >

Eu vou pro sertão, seu moço, do meu Bodocó..

quarta-feira, 16 de julho de 2014


O Massacre de Angico - Vale muito a pena

terça-feira, 15 de julho de 2014

    
O sertão brasileiro será palco do  MASSACRE DE ANGICO – A MORTE DE LAMPIÃO, no período de 23 à 27 de julho/2014, em Serra Talhada/PE.  Grandiosa encenação que reúne 100 atores e figurantes em Serra Talhada, no sertão pernambucano, terra natal de Virgolino Ferreira da Silva, para recontar sua história de vida por um outro viés, a do homem que tanto falava de morte quanto de amor.Texto de Anildomá Willans de Souza / Direção de José Pimentel.

Informações:
José Pimentel - Diretor do Espetáculo "O Massacre de Angico - A Morte de Lampião - F: 81 -  9977-3739
Anildomá Willians de Souza - pesquisador e autor do espetáculo - F: 87 - 9918-5533
Cleonice Maria – Presidenta da Fundação Cultural Cabras de Lampião (Produção)  F: – 87 – 9938 6035.
Karl Marx – Ator que vive Lampião e Produtor – F: 87 - 9661 8811.

Recomendável

quinta-feira, 10 de julho de 2014

 
A Fundação de Cultura Cabras de Lampião convida para a coletiva que vai ser realizada no próximo dia 17, às 15h, no Museu da Cidade do Recife, localizado no Forte das Cinco Pontas. Na ocasião, vão ser detalhados os preparativos para a 3ª edição do espetáculo “O Massacre de Angico – A Morte de Lampião”, que será encenado entre os dias 23 e 27 de julho, na Estação do Forró, em Serra Talhada, no Sertão pernambucano. O evento, que é gratuito e atrai milhares de pessoas, espera reunir aproximadamente um público de 10 mil espectadores por noite. Além dos artistas envolvidos na peça, também participam da coletiva o autor do espetáculo, Anildomá Willians de Souza, o diretor José Pimentel, e a presidente da Fundação Cultural Cabras de Lampião, Cleonice Maria.

No espetáculo, o público vai conhecer a história que aconteceu ao leito de um riacho seco, em Angico, no sertão de Sergipe, onde os companheiros de Lampião, entre eles, sua mulher, Maria Bonita, foram assassinados no dia 28 de julho de 1938.

Dentro do enredo são mostradas cenas do passado marcante da história do Rei do Cangaço, como: suas desavenças com o primeiro inimigo José Saturnino, seu encontro com Padre Cícero para receber a patente de capitão do Exercito Patriótico, a determinação do presidente Getúlio Vargas em acabar com o cangaço e a sua morte e de Maria Bonita, juntamente com o bando.

As cenas são ligadas ao imaginário popular, em uma narrativa que mostra os fatos históricos construídos por meio de efeitos especiais de luz e trilha sonora.

O Massacre de Angico – A Morte de Lampião é uma história de TRAIÇÃO, AMOR E ÓDIO, que tem como palco os confins do sertão, na primeira metade do século passado.
 
 Informações:

José Pimentel - diretor do espetáculo "O Massacre de Angico - A Morte de Lampião: (81) 9977-3739
Anildomá Willians de Souza - pesquisador e autor do espetáculo: (87) 9918-5533

Em João Pessoa

E lá vamos nós, eu Zé Adalberto e Genildo Santana, pra mais uma boa jornada. Dia 23 de julho, gravação no programa Cantos e Contos, com Os Nonatos, em João Pessoa.

2 anos da Fábrica de Criação Popular

Neste sábado (12), a Fábrica de Criação Popular do Sesc em Triunfo (PE) comemora dois anos de funcionamento com uma programação gratuita valorizando a cultura da região. Durante todo o dia, das 10h às 22h, o público irá conferir recitais, repente, apresentações artísticas e da cultura popular.

Criada com o objetivo de oferecer um espaço cultural para a população de Triunfo, a Fábrica de Criação Popular abriga um acervo com obras de artistas locais e da região do Alto Pajeu, uma galeria de artes, salas para realização de oficinas artísticas e cursos de música, um café e um pátio para apresentações culturais.

Confira a programação

10h às 11h — Na corda da poesia
Retrato 3 x 3 (Poetas Alexandre Morais, Genildo Santana e Zé Adalberto)
Repentistas
Local—Feira Livre (Praça José Veríssimo Júnior)

16h às 17h — Farra Poética
Poetas triunfenses e participação da Academia Triunf. de Letras e Artes
Local— Praça Dr. Arthur Viana Ribeiro

17h às 19h — Feira da Fábrica
Artesanato
Música
Literatura
Local— Praça Dr. Arthur Viana Ribeiro

18h às 18h30 — Ritos e Bênçãos
Momento ecumênico
Local— Fábrica de Criação Popular

19h às 20h — Festa na Fábrica
Bacamarteiros
Jéssica e Oz Gatos Mouriscos
Local— Fábrica de Criação Popular

20h às 22h — Celebração, música e poesia
Henrique Brandão e grupo Xaxado e poesia
Local—Praça Dr. Arthur Viana Ribeiro

Bom. Muito bom.

terça-feira, 8 de julho de 2014


E aí, vamos lá?

quarta-feira, 2 de julho de 2014


quarta-feira, 18 de junho de 2014


É pra ir, viu?

segunda-feira, 16 de junho de 2014



Em Santa Cruz da Baixa Verde

terça-feira, 27 de maio de 2014

    Outro dia foi Santa Cruz da Baixa Verde - PE. Uma turma compunha uma Mesa de Glosas para um grupo de alunos, enquanto eu ministrava uma oficina sobre cordel para dois outros grupos. Ao ficar livre fui assistir à mesa e acabei convidado para uma rodada final, com um mote sugerido pelo público e aperfeiçoado pelo mestre Dedé Monteiro. Eu disse:

Sou poeta e escritor
Declamo, improviso e canto
Só nunca fui, nem sou santo
Porque nasci pecador
Estou sendo professor
Para a arte ir à frente
E quando o tempo consente
Dou amor e sou amado
Sou vaqueiro apaixonado
Correndo atrás do repente

Pássaro Cativo - Olavo Bilac


Em Tabira

     Dia 24/05 participamos de uma Mesa de Glosas, em Tabira. O evento integrou as comemorações pelos 65 anos de emancipação política do município. Bons momentos ao lado Genildo Santana, Dimas Feitoza, Zé Adalberto, Genildo Almeida, Dudu Morais, George Alves e Lima Júnior, tudo intermediado por Welington Rocha.
     Gislândio Araújo, que tava na plateia, disse que gostou quando eu me sai com esta:

Quem vai pro sul maravilha
A trabalho ou a passeio
Se sente vazio e cheio
Da solidão que humilha
Se sente como uma ilha
No meio de um mar de gente
Pra não morrer indigente
Volta pro seu natural
Quem volta ao torrão natal
Mata a saudade que sente

Mas tambem teve essa:

Um mais velho nos ensina
Que ano de 4 é bom
E veio da chuva o som
Que acordou a campina
Hoje água do chão mina
E quem não acreditou
E um São José roubou
Pode botá-lo em seu canto
Roubei tudo que era santo
E o inverno voltou

E essa:

A cana é quem me socorre
Quando a saudade agonia
Disso achei que não morria
Mas hoje sei que se morre
Uma lágrima quando escorre
Outra vem, outra derrama
Peço pra ser minha dama
Ela diz: nem por favor
Eu peço esmolas de amor
Para alguém que não me ama

E outras que o juízo não guardou, certamente pela má qualidade delas.


Recomendável

CAPA_100 DUVIDAS
O título do livro fala por si só. Mas não diz tudo. Na verdade, são mais de 100 dicas da nossa Língua Portuguesa, todas apresentadas em estrofes de sete linhas formadas por versos de sete sílabas. A forma mais tradicional da Literatura de Cordel. Uma parceria entre dois poetas cearenses: Geraldo Amancio, repentista consagrado, comemorando seus cinquenta anos de carreira, e Marcos Mairton, que em 2015 completará dez anos da publicação do seu primeiro cordel. A introdução da obra dá o tom do que vem em toda a sua extensão:

Este cordel mostra um pouco
Das regras gramaticais
Faz correção de verbetes,
Singulares e plurais,
Substitui no geral
O uso coloquial
 

Por situações formais.
Não pretende ser um livro
De cunho extraordinário,
Porque, em sendo cordel,
Tem seu próprio itinerário,
Obra espontânea e poética,
Não segue ordem alfabética
Para não ser dicionário.


Ilustrado por Alexandre Mastrella. Ensinamento Editora, Brasília, 2014. 128 p.; 15 x 22 cm. ISBN 978-85-8190-047-6

VALOR: R$ 30,00 + Frete

Olha aí, que boa parada


Olha o recado poético de Márcio Rocha em tempos de Copa do Mundo no Brasil

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Em meio ao caos do nosso País e a iminência da Copa do Mundo fiz esses versos como maneira de alertá-los sobre o fato de que vencer uma Copa do Mundo não mudará o cenário do nosso País. A minha Copa do Mundo é por um Brasil melhor!!!

Carta à Seleção Brasileira

Mês de junho tem copa no Brasil
Meu País é palco do mundial
Isso até que podia ser legal
Se a pátria ainda fosse mãe gentil
Porém minha alegria desistiu
Depois de ver tamanha roubalheira
Triplicando dinheiro pra empreiteira
Fazer estádios superfaturados
Enquanto brasileiros são chutados
Pra escanteio por toda essa sujeira

Me desculpem, Ronaldo e Parreira
Julio César e o Davi Luiz
É que já não dá mais ver meu país
Ser tratado como uma brincadeira
Todo dia é jogado na lixeira
O futuro de um bebê inocente
Que se fosse escalado como gente
Nos gramados da boa educação
Com certeza seria um campeão
E eu iria torcer bem mais contente

Eu sei que a seleção é inocente
No que diz respeito à corrupção
Mas não dá pra ter comemoração
Num país sem governo transparente
Brasileiro escalado pra indigente
Esquecido em corredor de hospital
Enquanto acontece um carnaval
Com os impostos da massa brasileira
Que trabalha e sequer tem cadeira
Pra sentar na rede educacional

Nessa copa eu vou ser torcedor
De uma melhor imagem nacional
Da saúde e assistência social
Do respeito a qualquer trabalhador
Do salário mais justo ao professor
Ao militar e a qualquer cidadão
Que trabalha pra comprar seu feijão
Na labuta suada o dia inteiro
Vou pra rua com o povo brasileiro
Mas não vou pra o estádio Felipão

Me desculpe caro amigo Neymar
Mas essa é minha humilde opinião
Vou vestir a blusa da seleção
Vou pra rua com o povo protestar
Quero ver o meu Brasil levantar
O troféu da mudança, essa é a vez
Pois já não dá pra viver no talvez
Do pão na mesa do trabalhador
Lute por nos Neymar, mas por favor
Não nos peça pra torcer por vocês...


Autor: Márcio Rocha.

É SESC, é Garanhuns, somos nós..


Matricó lança CD Lavradores em Recife

sexta-feira, 4 de abril de 2014




      Dizem que o bom filho à casa volta. Marcando sua volta a Recife, depois de uma longa temporada em Brasília Paulo Matricó realiza show de lançamento do CD Lavradores, no Teatro de Santa Isabel, dia 24 de abril, às 20h. No repertório do show, músicas do novo álbum e canções reeditadas de trabalhos anteriores do cantador.
     No show, Paulo Matricó contará com um time de grandes músicos pernambucanos, como: João Neto (Violas), Jerimum de Olinda (percussões), Derico Alves (sanfona), Dau Barros (flautas), Lucas Crasto (contrabaixo) .

CD LAVRADORES
     O poeta e cantador PAULO MATRICÓ lança o nono álbum de sua carreira, o CD LAVRADORES, uma homenagem aos agricultores e um tributo à sua origem camponesa. Originário do lendário Vale do Pajeú, onde reinam os “Faraós da poesia, ”Matricó sempre se manteve fiel às suas raízes, cantando e reverenciando estes mestres e louvando a grandeza daquela terra fértil de lavouras e poéticas. “LAVRADORES traduz em canções um estado de ser sertanejo”, explica Matricó.
     No roteiro, composições de sua própria lavra e outras em parceria com nomes como: Anchieta Dali, Luiz Homero e Miguel Marcondes, parceiros de longas datas. Um destaque no repertório é a faixa número 1, a música Grande Poder, de autoria do alagoano Mestre Verdelinho.
     A produção do Cd conta com participações importantes: Direção de Anchieta Dali; Arranjos de A. Dali e João Neto e, ainda, outros grandes músicos da cena pernambucana, como Jerimum de Olinda na percussão, Beto do bandolim, Toninho Tavares no contrabaixo, Edno Oião na bateria, Luizinho na Sanfona, Elis Mariana e Alysson Peter nos vocais.  O trabalho conta ainda com a participação especial de Sevy Nascimento na faixa seis (Na Roça) e Elias Dionísio na Faixa sete (Cauã), da qual este é também coautor.

SERVIÇO:
SHOW DE LANÇAMENTO do CD LAVRADORES, de Paulo Matricó
Local: Teatro de Santa Isabel
Data: 24 de abril 2014
Horário: 20h
Ingressos: R$ 60,00 Inteira e R$ 30,00 Meia. Vendas promocionais antecipadas: R$ 40,00 Inteira.
Venda de ingressos: Bilheteria do Teatro de Santa Isabel(Fone:33253322), Loja Passa Disco (Shopping Sítio da Trindade, fone:32680888) e Box Sertanejo (Mercado da Madalena, fone:34468596).
Maiores Informações: Paulo Matricó – 9866 9930.  

< Texto: Assessoria Teatro Santa Isabel.
Colaboração: Marcos Passos >

Estamos nessa

domingo, 23 de março de 2014


Vai que é bom

terça-feira, 18 de março de 2014

Convite Show Maria Dapaz no Sesi Recife 20 de março às 19h30

Jornada Literária Portal do Sertão 2014

quinta-feira, 13 de março de 2014

E lá vamos nós para mais um jornada. Olha a matéria do Jornal do Commercio deste dia 11/03/14:

*   *   *

Confira a programação da V Jornada Literária Portal do Sertão


Participam desta edição Chico César, Xico Sá, Adriana Falcão e Gilvan Lemos, um dos homenageados deste ano

O cantor Chico César, secretário de cultura do governo paraibano, participa do encerramento do evento / Foto: Washington Possato
 O cantor Chico César, secretário de cultura do governo paraibano,
participa do encerramento do evento

Foto: Washington Possato

      A literatura que pulsa do Sertão para o mar e do mar para o Sertão. No texto que anuncia a programação da V Jornada Literária Portal do Sertão, divulgada nesta terça-feira (11), é esse o espírito que curadoria pretende dar ao evento, que este ano acontece entre os dias 19 e 30 de março nas cidades de Buíque – com programação tanto no município quanto no distrito de Carneiro –, Tupanatinga, Arcoverde, Pesqueira (incluindo o distrito de Mimosa), Sanharó, Tacaimbó, São Bento do Una e Belo Jardim.
     Com sua última edição realizada em setembro de 2012, o evento promovido pelo Sesc Pernambuco vai homenagear neste ano três artistas sertanejos: Audálio Alves (1930-1999), nascido em Pesqueira; Gilvan Lemos, natural de São Bento do Una e único vivo dos homenageados – no dia 28, o escritor viaja à sua terra natal para participar de uma conversa com o pesquisador e poeta Pedro Américo de Farias; e Manoel Filó, nascido em São José do Egito, no Sertão do Pajeú, mas que residiu durante anos em Arcoverde.
     Promovendo encontros entre autores locais e nomes já consagrados no cenário literário nacional, participam desta edição Estrela Leminski com Téo Ruiz, Chico César num bate-papo com Xico Sá, e ainda a roteirista e escritora Adriana Falcão. Das letras locais, destacam-se na programação Cristiano Ramos numa conversa com Ronaldo Correia de Brito, e uma mesa de glosas guiada pelo repentista Dedé Monteiro e com participação dos poetas Alexandre Morais, Genildo Santana, Gonga Monteiro, Maciel Correia e Zé Adalberto, todos nascidos no Pajeú.
Programação completa em: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cultura/noticia/2014/03/11/confira-a-programacao-da-v-jornada-literaria-portal-do-sertao-121009.php

Sesc Triunfo

quarta-feira, 12 de março de 2014

 
Foto: facebook/sesctriunfo

        Essa foi domingo (09/03), em mais uma passagem por Triunfo (PE), numa promoção do Sesc. Na foto não aparecem, mas estava ladeado por Zé Adalberto e Genildo Santana, alem de Neto Marques, fazendo um belo som de viola.
        Foi a primeira vez que recitamos na base do teleférico e acho que foi exatamente nesta hora da foto que eu estava olhando pra engenhoca pra depois dizer:

Agora vim prum lugar
Que não tinha vindo antes
Declamar pro teleférico
Pr'essas cadeiras voantes
Que parecem com cordéis
Dependurado em barbantes

sexta-feira, 7 de março de 2014

Vitrine do Pajeú apresenta poesia neste domingo (9)

     A Fábrica de Criação Popular do Sesc Triunfo traz, dia 9, 16h, o projeto Vitrine do Pajeú que exibe a riqueza da música e da literatura do Pajeú. Neste mês os poetas Alexandre Morais (Afogados da Ingazeira), Genildo Santana (Tabira) e Zé Adalberto (Itapetim) apresentam as declamações de “Retrato 3x3” da poesia pajeuzeira. O projeto acontece no Bosque Horácio Timóteo. Entrada gratuita.

Festival Nacional de Poesia

         A Associação Profissional de Poetas no Estado do Rio de Janeiro (APPERJ) está promovendo o Festival de Poesia Falada do Rio de Janeiro. O concurso tem tema livre e aceita todos os estilos poéticos. Podem participar poetas residentes ou não no País, de qualquer nacionalidade. Cada concorrente poderá enviar até três poemas inéditos, em língua portuguesa. O prazo de inscrição encerra no dia 31 de julho. Serão selecionados os 20 melhores textos, cujos autores receberão certificado de Menção Honrosa e prêmios no valor de mil reais, distribuídos em: 1° lugar: R$400; 2° lugar: R$300; 3° lugar: R$200 e melhor intérprete: R$100. A entrega será no dia 25 de setembro. Para mais informações, acesse o site www.apperj.com.br.

< Do Blog do Galeano >

A arte explica a vida

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

contradições humanas (7) 

     As obras de Pawel Kuczynski fazem uma crítica precisa, ferrenha e penetrante contra a sociedade moderna.
   Seus desenhos nos convidam a refletir sobre assuntos sérios que passam despercebidos por muitas pessoas.
  Isso mostra como Kuczynski é um excelente artista, pois que outra função teria a arte senão nos fazer refletir?
 
Veja mais em http://awebic.com/cultura/contradicoes-humanas/

TUDO QUE VICIA COMEÇA COM C

                                             Por LUIZ FERNANDO VERÍSSIMO
 
      "Tudo que vicia começa com C. Por alguma razão que ainda desconheço, minha mente foi tomada por uma ideia um tanto sinistra: vícios. Refleti sobre todos os vícios que corrompem a humanidade. Pensei, pensei e, de repente, um insight: tudo que vicia começa com a letra C! De drogas leves a pesadas, bebidas, comidas ou diversões, percebi que todo vício curiosamente iniciava com cê. Inicialmente, lembrei do cigarro que causa mais dependência que muita droga pesada. Cigarro vicia e começa com a letra c. Depois, lembrei das drogas pesadas: cocaína, crack e maconha. Vale lembrar que maconha é apenas o apelido da cannabis sativa que também começa com cê. Entre as bebidas super populares há a cachaça, a cerveja e o café. Os gaúchos até abrem mão do vício matinal do café mas não deixam de tomar seu chimarrão que também - adivinha - começa com a letra c. Refletindo sobre este padrão, cheguei à resposta da questão que por anos atormentou minha vida: por que a Coca-Cola vicia e a Pepsi não? Tendo fórmulas e sabores praticamente idênticos, deveria haver alguma explicação para este fenômeno. Naquele dia, meu insight finalmente revelara a resposta. É que a Coca tem dois cês no nome enquanto a Pepsi não tem nenhum. Impressionante, hein? E o computador e o chocolate? Estes dispensam comentários. Os vícios alimentares conhecemos aos montes, principalmente daqueles alimentos carregados com sal e açúcar. Sal é cloreto de sódio. E o açúcar que vicia é aquele extraído da cana. Algumas músicas também causam dependência. Recentemente, testemunhei a popularização de uma droga musical chamada "créeeeeeu". Ficou todo o mundo viciadinho, principalmente quando o ritmo atingia a velocidade... cinco. Nesta altura, você pode estar pensando: sexo vicia e não começa com a letra C. Pois você está redondamente enganado. Sexo não tem esta qualidade porque denota simplesmente a conformação orgânica que permite distinguir o homem da mulher. O que vicia é o "ato sexual", e este é denominado coito. Pois é. Coincidências ou não, tudo que vicia começa com cê. Mas atenção: nem tudo que começa com cê vicia. Se fosse assim, estaríamos salvos pois a humanidade seria viciada em Cultura..."

Tabaqueiros

       Os tabaqueiros são as figuras mais presentes no Carnaval de minha terra, Afogados da Ingazeira - PE. São a marca do Carnaval, na verdade. É difícil encontrar alguem na cidade que não tenha sido tabaqueiro por um dia. Pelo menos entre os homens.
     O mérito é não ser reconhecido. Vale qualquer roupa e qualquer máscara, mas os chocalhos e o relho são acessórios indispensáveis. Aí é só sair pelas ruas, correndo pra os chocalhos chocalharem e estalando o relho. Este, aliás, tem sido o centro de uma grande polêmica: há quem queira proibir seu uso.
       O problema é que semanas e até meses antes do Carnaval a cidade já enche de garotos estalando relhos. E aí, mesmo pra quem já fez isso, como eu, e defende as tradições populares, como eu, é um incômodo arretado.
      Que o bom senso prevalece. E que o Carnaval seja como deve ser: cheio de tabaqueiros.


Mais Tabaqueiros



Exibindo tabaqueiro.jpg
Exibindo Tabaqueiros.jpg

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Olha aí, coisa boa de se ver e se ouvir

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Pegando umas deixas de Dudu Morais

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

O MUNDO ENSINA AO SÁBIO
SER JUSTO NO QUE DEFENDE,
QUE ALEGRIA NÃO SE COMPRA,
QUE CARÁTER NÃO SE VENDE,
MAS TEM COISAS NESSA VIDA
QUE NEM TODO MUNDO APRENDE.

Dudu Morais

MAS HÁ TOLO QUE ENTENDE
QUE VALE MAIS O PODER
QUE DINHEIRO VALE TUDO
QUE MAIS VALE O VERBO TER
E ESQUECE QUE HUMILDADE
É QUE MAIS PREENCHE O SER

Alexandre Morais 


VENCER PELO PRÓPRIO MÉRITO,
SEM SUGAR SUOR ALHEIO,
SUBIR DEGRAUS SENDO HONESTO,
SEM PRECISAR DE OUTRO MEIO.
QUE A NOSSA VIDA É INTENSA
E PRA FAZER A DIFERENÇA
TEM QUE MOSTRAR PRA QUE VEIO.

Dudu Morais

A ILUSÃO É ESTEIO
PARA QUEM NÃO SE ACEITA
PRA QUEM VIVE DE IMAGEM
NO SUPÉRFLUO SE DELEITA
QUEM BUSCA DO OUTRO A FAMA
FAZ DA CONSCIÊNCIA CAMA
ONDE O ORGULHO SE DEITA

Alexandre Morais 

É desse jeito

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Verso grande

Aborto é assassinar
Quem mais queria viver
Crime bárbaro porque mata
Antes do feto nascer
Covardia por que a vítima
Não pode se defender

< Raimundo Caetano >


A melhor maneira de acordar o domingo

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Divulgada mais uma lista de selecionados no Mais Cultura nas Escolas

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Fonte: site do Ministério da Cultura

As crianças e jovens das escolas públicas brasileiras experimentarão a dança, a pintura, o canto e o artesanato dos povos indígenas; técnicas de audiovisual para a produção de animação infantil, além dos elementos culturais do hip hop, como a dança de rua, o graffiti e o rap.
Esses são alguns dos exemplos das atividades que estão sendo selecionadas para serem desenvolvidas nas 5 mil escolas de ensino fundamental e médio incluídas no Programa Mais Cultura nas Escolas. As escolas selecionadas para participarem do Programa estão sendo divulgadas pelos Ministérios da Cultura e Educação em três etapas. A primeira lista, com 1.001 escolas foi publicada no site dos dois ministérios no dia 10 de janeiro e a segunda, com mais 447 escolas foi divulgada nesta quinta-feira (13). No dia 10 de março, o MinC e o MEC divulgarão mais uma lista de selecionados.
O Programa Mais Cultura nas Escolas, uma parceria dos Ministérios da Cultura e da Educação, tem investimento de R$ 100 milhões em sua primeira etapa e cada projeto selecionado receberá entre R$ 20 mil e R$ 22 mil do Programa Dinheiro Direto na Escola do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação para desenvolver as atividades culturais em 2014. O valor será calculado conforme o número de alunos matriculados na escola. O recurso deverá ser investido na  contratação de serviços culturais relacionados às atividades artísticas e pedagógicas, que poderão acontecer dentro ou fora da escola - durante o ano letivo, por no mínimo 6 meses.
"As crianças e os jovens terão oportunidade de vivenciar experiências inovadoras nesse processo educacional com iniciativas culturais produzidas em sua localidade", comenta o secretário de Políticas Culturais do Ministério da Cultura, Américo Córdula. A Secretaria de Políticas Culturais, por meio da Diretoria de Educação e Comunicação para a Cultura, é a responsável pela criação e desenvolvimento do Programa Mais Cultura nas Escolas.
O Mais Cultura Nas Escolas pretende potencializar processos de ensino e aprendizado por meio da democratização do acesso à cultura e da integração de práticas criativas e da diversidade cultural brasileira à educação integral.
 
Eixos Temáticos
Cada um dos projetos inscritos poderia dialogar com um ou mais eixos. Desse modo, o Mais Cultura nas Escolas procura incentivar o diálogo entre as várias linguagens artísticas e a diversidade da cultura brasileira. Os nove eixos temáticos estabelecidos  pelo Programa são: Criação, Circulação e Difusão da Produção Artística; Cultura Afro-brasileira; Promoção Cultural e Pedagógicas em Espaços Culturais; Educação Patrimonial; Tradição oral; Cultura Digital e Comunicação; Educação Museal; Culturas Indígenas; e Residências Artísticas para Pesquisa e Experimentação nas Escolas.
Das 14 mil escolas habilitadas para participarem do Programa Mais Cultura nas Escolas 63,17% escolheram apenas um eixo, sendo o mais procurado o de Criação, Circulação e Difusão da Produção Artística, com 10.070 projetos. O segundo eixo que teve mais inscrições foi o de Cultura Afro-brasileira, com 3.937 projetos apresentados. O eixo Promoção Cultural e Pedagógicas em Espaços Culturais foi o terceiro mais procurado, com 2.890 projetos, seguido do eixo Educação Patrimonial, com 2.386 inscrições.
O eixo Tradição Oral foi o quinto mais procurado, com 1.685 projetos inscritos, e em seguida, o eixo Cultura Digital e Comunicação com 1.580 inscrições. Em sétimo lugar ficou o eixo Educação Museal com 982 projetos apresentados, seguido pelo eixo Culturas Indígenas com 834 inscrições. O eixo menos procurado foi o de Residências Artísticas para Pesquisa e Experimentação nas Escolas com 777 projetos inscritos.
Veja alguns do Projetos Aprovados
Cultura Indígena
A Escola Municipal de Ensino Básico Ítalo Damiani de São Bernardo do Campo (SP) e próxima à aldeia guarani que fica na região de Taquacetuba, propiciará a seus alunos o a vivência da cultura indígena do povo guarani. O projeto de atividades culturais, que será desenvolvido pelo professor e ator Roger Muniz, incluem realizações, semanalmente, de brincadeiras indígenas, envolvendo música e teatro; apresentação de cânticos guarani por indígenas da região – crianças, adultos e idosos; e contação e encenação de histórias indígenas. O professor Roger Muniz, que desenvolve trabalhos com a aldeia Krukutu, levará ainda os alunos para conhecerem a vivência da comunidade indígena, promovendo a integração entre estudantes da escola com a comunidade indígena vizinha à escola.
Cultural Digital e Comunicação
A Escola Municipal Professora Aurora Costa de Carvalho, no município de Nísia Floresta (RN), selecionou um projeto do eixo Cultura Digital e Comunicação, que será ministrado pelo desenhista, ilustrador, editor e produtor de filmes e animações Lula Borges. Pelo projeto, os alunos da escola receberão formação em linguagem audiovisual, especialmente na técnica da animação, com a perspectiva de se formar um grupo local de realizadores e de se contribuir com a difusão do cinema de animação. O projeto prevê a realização de 60 exibições de filmes de animação, oficinas básicas de animação – com aulas de roteiro, massinha e desenho - e produção da série de animação com ao menos 10 filmes realizados pelos alunos. No final do projeto será realizada uma Mostra de Cinema de Animação no município.
Cultura Afro-Brasileira
A Escola Municipal de Ensino Fundamental Senador Teotônio Vilela de São Paulo(SP), oferecerá aos seus alunos, por meio do Programa Mais Cultura nas Escolas, aulas sobre Cultura afro-brasileira. O Plano de Atividades, que será desenvolvido pelo Coletivo Cultural Poesia na Brasa – o Saraunabrasa da Vila Brasilândia-, incluirá as três linguagens artísticas (literatura, dança e música) vivenciadas sob a perspectiva da Cultura afro-brasileira. As aulas, que serão ministradas Sidnei Silva Júnior, propiciarão aos alunos conhecimentos como a poesia e a literatura afro-brasileira de identidade e resgate cultural. As atividades de dança abordarão as heranças africanas no Brasil e como isso se refletiu sobre a Cultura Popular Brasileira e terão oficinas de danças como o Samba de Bumbo e Jongo. Na área da música, além da História da Música afro-brasileira, os alunos conhecerão os ritmos do berimbau, além de fazerem oficina para aprender a construir o instrumento. Durante o desenvolvimento do Plano de Atividade Cultural os participantes deverão escolher lugares relacionados à história da cultura afro-brasileira para que os mesmos sejam visitados.
Criação, Circulação e Difusão da Produção Artística
A Escola Municipal de Ensino Fundamental Bela Flor, que fica no município de Epitacolândia (AC), levará aos seus estudantes, conhecimentos relacionado às artes como teatro de fantoches e contação de histórias. O Projeto de Atividade Cultural, apresentado pela Biblioteca de Epitacolândia e que será desenvolvido pela agente de leitura da região Lilia Valdivino de Oliveira ao longo de seis meses, terá como foco o cotidiano escolar e a cultura local. Estão previstas roda de leitura de literatura de cordel, além da criação e apresentação de musicais por alunos da escola e funcionários da Biblioteca e a realização de saraus na escola.  
Confira aqui a lista total com as 1.448 escolas já selecionadas.

(Texto: Heli Espíndola, Ascom/SPC/MinC)
(Fotos: Foto 1-Gustavo Pires
Foto 2-Jogos Indígenas- Lenine Martins/Secom/MT
Foto 3-Conferência de Cultura do Extremo Sul/BA-Divulgação/Comunicação/Regional MinC/Bahia e Sergipe)

 
 
 
 
Template modificado por WMF-Mídia Design | (87) 9918-2640 / 9620-2552